Confederação Brasileira de Kickboxing

David Silveira - Londrina/PR

Nome: David Lima Silveira
Idade: 41 anos
Cidade: Londrina/PR


Durante o período difícil em que vivemos sem competições a CBKB dedicou esse espaço do atleta do mês para lutadores que estavam ligados ao combate a pandemia de alguma forma. Passado esse período inicial, mesmo ainda longe da normalidade, retomamos primeiro o uso deste espaço para histórias e conquistas de atletas em outros eventos, como os e-eventos e depois para homenagens póstumas a eternos atletas que nos deixaram. Mas agora, com o retorno gradual das competições, voltamos a homenagear atletas com conquistas importantes no mês que passou. O objetivo da sessão é conhecer um pouco mais a história de vida e do dia a dia desses guerreiros e guerreiras e relembrar um pouco dessas conquistas mais recentes.

Por conta da virada de ano e o início de 2022 com menos competições, neste mês de fevereiro a sessão do atleta do mês homenageia um destaque do mês de dezembro. Trata-se de David Silveira, um veterano do Kickboxing, mas que ainda segue brilhando no cenário sul-americano. Antes de explicar o motivo da escolha por David, vamos conhecer melhor esse paranaense de Londrina. Muito fã do extinto K-1, a relação com a luta começou desde cedo. Um dia, aos 15 anos, ele deixou de só assistir aos inúmeros vídeos de lutas e foi tentar a sorte na prática. Aí a paixão e conexão foram imediatas e pouco tempo depois (cerca de quatro meses) David já se sagrava campeão paranaense de Kickboxing e de Boxe. Ali, ele teve a certeza do que queria para o resto da vida. 

Dono de uma história de vida complicada em que precisou lidar com duras barreiras na infância e juventude como crescer sem a presença dos pais até ser adotado, David teve que buscar inspirações fora do ambiente familiar para construir sua trajetória no esporte. Fã de grandes nomes das artes marciais como Mike Tyson, Mirko Cro Cop, Ernest Hoost, Badr Hari, Peter Aerts e Buakaw Banchamek, ele incorporou o espírito guerreiro de cada um deles para seguir carreira no esporte e vencer na vida.

Dentro do ringue, o paranaense se define como um lutador extremamente inteligente, que estuda os adversários e trabalha muito. Além de sempre buscar o nocaute variando ao máximo os golpes. Ele também prefere trabalhar o boxe terminando com chutes altos e garante perceber os pontos fortes dos adversários com facilidade. Já fora do ringue, se define com um cara calmo e família, que faz tudo pelo bem-estar da filha Alice, familiares e amigos. Seus hobbies no tempo livre são tocar violão e jogar o famoso fliperama, moda na década de 90, mas que ainda carrega seus adeptos. Formado em Educação Física, David trabalha desde cedo e já fez um pouco de tudo como lavador de pratos, promotor de vendas, repositor e chegou até a ter uma estamparia, entre outras atividades já exercidas. Hoje, aos 41 anos, ele tem sua própria academia, trabalha dando aulas e é empresário no ramo de e-commerce. Uma curiosidade sobre David é que ele já integrou uma banda de punk rock, na qual tocava e cantava.

E no último mês de dezembro, David mostrou que ainda está em dia com o que mais ama fazer na vida. Ele participou mais uma vez do Sul-Americano de Kickboxing, realizado em Cascavel, no Paraná, entre os dias 8 e 12 de dezembro. Dono de dois títulos do torneio em edições anteriores (full contact até 67kg e K-1 até 71kg), David competiu mais uma vez em busca do tricampeonato. Dessa vez, por conta da idade avançada ele teve que competir no tatame na categoria Kick Light até 84kg.  Mas isso não foi problema para o paranaense, que despachou um argentino na primeira luta e fez a grande final diante de Williames Chacal, outro conhecido veterano do esporte sul-americano e que já treinou junto com David. A vitória veio após um duro combate e com ele o sonhado tricampeonato sul-americano de Kickboxing aos 41 anos. 

Nesse período difícil, David mostra que o trabalho duro é o melhor amigo do sucesso e mesmo com todas as dificuldades na caminhada até aqui, conseguiu chegar ao topo mais uma vez. As conquistas mostram que aqui temos material humano de sobra e apesar das dificuldades, o sonho e a vontade de chegar ao lugar mais alto do pódio sempre falam mais alto. Parabéns ao lutador e sua equipe.